O PERPÉTUO DRAMA: ADÃO, EVA E O FRUTO PROIBIDO III

O PERPÉTUO DRAMA: ADÃO, EVA E O FRUTO PROIBIDO III

A EXPERIENCIA MASCULINA DA HERANÇA DE ADÃO E O FRUTO PROIBIDO

Frodo

Pode ser providencial que não possamos entender uns aos outros completamente.

A extrema simbiose poderia quebrar a frágil identidade, que tanto precisamos como indivíduos, e alterar a tensão necessária para a colaboração e reprodução. ZR

 

 

 

A tarefa mais difícil da minha carreira foi sair das minhas próprias especificidades de gênero para entender como o homem se entende e se sente. Não importa quão neutra ou objetiva fosse a minha intenção, o que fazia era imaginado ou projetado como mulher.

Primeiro, tive que discernir para, em seguida, separar-me da minha sensibilidade feminina tridimensional para afinar-me com uma frequência paralela que permitisse que as impressões físicas, emocionais e mentais brotassem na superfície do meu banco de memórias. E isto somente poderia acontecer a partir da perspectiva da alma. Sob este ângulo, cada vida masculina contrastava marcantemente com a dinâmica da estrutura feminina. Olhar através de outra lente me revelou um mundo completamente diferente.

Minhas próprias recordações de vidas masculinas sempre revelam uma sensação de separação do entorno que realmente facilita lidar com os detalhes e, portanto, com o processo de compreensão linear ou sequencial. A capacidade de ordenar e, em última instância, a maneira de construir e moldar a realidade. A vida invariavelmente envolvia aspectos da forma, precedência e procedimentos concretos, incluindo filosofia. No misticismo, o coração celebrou a imensidão da Criação, mas o fez a partir da frequência mental superior cintilante e desprovida de sentimentos. Em outras palavras, sentir para um homem é uma experiência completamente diferente da experiência da mulher. É profundamente interior e enigmaticamente indecifrável. Por outro lado, como médium, servindo de vínculo entre realidades, os sentidos corporais permaneceram intensamente vivos e vibrantes.

O autosacrifício masculino é expressivo e total. Um homem, com frequência, renuncia à sua própria vida a serviço dos seus ideais, como verdadeiro cavaleiro andante, rei e vassalo em um só. Quando não é puramente sensorial, o tipo de reverência que evoca o amor em um homem se eleva a proporções poéticas e majestosas, enquanto permanece inexorável e profundamente preso a reinos interiores de vagas premonições da Perfeição. A natureza emocional é muito delicada, receptiva e impressionável. O homem foi desenhado para liderar com precisão por causa desta debilidade peculiar, impulsionando-o por um caminho de feroz compensação através da violência e da brutalidade para poder chegar ao reconhecimento da vulnerabilidade da vida.

Salvador Dali

Experiência pessoal

Lembro-me de uma vida de insuportável agitação emocional contida por uma fachada externa rígida, autoritária, muito formal e implacável. Em outra, a compulsão por dirigir e compartilhar minhas convicções me levou ao extremo de privação sensorial e pessoal. O amor era o enigma, sempre o enigma, que podia me enlouquecer por me sustentar e impulsionar. Em uma vida, lembro-me de sentir totalmente realizado, em uma montanha do Tibet. E, no apogeu das faculdades mentais, em outra vida, escrevi um tratado muito complexo que, para ser documentado, tomou toda a minha vida, sem que nada mais me interessasse ou distraísse. Nesta vida, em particular, tudo se focou em viver de maneira insuportavelmente dentro das regras, o que minha disposição feminina atual catalogaria de completamente aborrecida.

É difícil para uma pessoa comum compreender a distinção entre homens e mulheres, uma vez que isto nada tem a ver com aparências ou regras. Cada um está sujeito a ângulos determinados de percepção e dinâmicas de gênero que definem a receptividade e o manejo da energia. As diferenças se expressam como prioridades, perspectivas alternativas e níveis sutis de percepção que contribuem para a construção de uma identidade própria.

É preciso entender que a identidade pessoal é talvez o elemento individual mais importante para um homem, o que contrasta dramaticamente com a dinâmica da mulher que considera de forma concomitante as sensações e os sentimentos em seu mundo circundante. Antes de transcender o papel que lhe deu a sociedade, o mundo inteiro de um homem se baseia em sua imagem.

 

Desenvolvimento

A herança de Adão para seus filhos, que são humanos gentis e mais pacíficos, forçados a cumprir o papel de guardião e protetor, baseia-se debilmente em um modelo de autoridade remota que é muito difícil de compreender. É uma enorme carga para suportar. Seu caminho foi forjado com tensão física, responsabilidade e fortes impulsos da carne dentro de um espírito de constante indagação e compulsão por conhecer, definir, conquistar, dirigir e adquirir maestria do mundo ao seu redor. A necessidade os levou a etiquetar tudo, tirando conclusões baseadas em suas próprias percepções sensoriais. É a forma como a natureza funciona através deles.

Para entender um homem, é necessário regressar ao útero e às esperanças colocadas sobre o bebê desde o momento da sua concepção. Destinados a serem chefes de família, líderes e construtores, os homens estão obrigados a serem a realização do pai, a segurança da mãe e o irmão mais velho de todos. Por outro lado, suas necessidades e prazeres são simples e evidentes. O pensamento e a ação seguem a causa e o efeito. Há pouca espontaneidade, sutileza e insinuação. Para a maioria das mulheres que instintivamente manipulam emocionalmente, é fácil ler os pensamentos e as sensações de um homem e influenciá-los. Esta é a forma de Eva (mulher “inconsciente”) continuar a se aferrar à costela proverbial e a não fazer nada para contribuir para a evolução de ambos.

Os homens são fisicamente maiores e potencialmente mais fortes. Seus sentidos são afinados com o mundo físico, a caça e a perseguição, a defesa e o ataque, a conquista e a espera. Para eles, existem regras que devem ser seguidas e uma paz a ser imposta em um caminho visível e tangível. Existem passos a seguir. Não existe muito para além da superfície e do alcance dos sentidos físicos.

Desde a infância, as experiências são percebidas como obrigações concretas que servem para despertar e desenvolver atributos físicos e mentais, de acordo com o propósito da alma. Sempre a ênfase está no mundo, nos detalhes concretos e conceituais para encarnar a pedra angular da ordem.

Os homens veem muito mais do que as mulheres. Aprenderam a perceber, conceber e controlar com formas mentais e físicas definidas que são claramente lineares, mesmo quando abstratas e teóricas. Assim, o esporte, a expressão física, a ciência, a filosofia, a matemática e a política são seus meios preferenciais de expressão.

O ponto fraco, como sempre, são as emoções que abrigam uma comovedora agitação interior que, mesmo sendo intensa, está condenada a permanecer intraduzível. As referências, geralmente, são projetadas e imaginárias.

As mulheres dizem que este é um mundo de homens, mas a maioria dos homens não concorda com isto. O que é uma fonte de inveja para a mulher ambiciosa, para o homem é uma pressão inevitável que beira a opressão. Um sentido de dever que sobrecarrega sua vida inteira. Seja homossexual ou heterossexual, do norte ou do sul, não há tolerância para a debilidade, particularmente consigo mesmo. Para estabelecer sistemas de apoio que assegurem a continuidade, os homens são concebidos para responder a demandas externas em lugar das necessidades internas.

Enquanto uma mulher, mesmo respondendo ao caos interno de infinitas possibilidades, tem a oportunidade de impor sua liberdade à sociedade ao influenciar as pessoas de maneira invisível, o homem não tem tal opção. Sua única liberdade é mental e em solidão. A liberdade se projeta em um Ideal de Silencio e Perfeição que implica em retirar-se do mundo, uma via impossível para uma mulher. Normalmente, tudo é impulsionado pela compulsão de criar e de ser reconhecido, cumprindo a missão de assumir o comando e exercer o poder externo. A ordem mundial depende deles – ou assim eles o supõem.

O privilégio resultante de ser um homem, supostamente com o nome da família, a segurança e a esperança para ao futuro, equivale a um imperativo para a criação de imagens e a defesa diante da constante pressão do grupo. Ele deve ser forte, duro, confiável, claro, decidido e ter êxito, assim como as imagens dos outros homens e as demandadas pelas mulheres comuns.

Devemos imaginar a forma como um menino pequeno percebe o mundo que o cerca e que o chama para conquistá-lo. Exteriormente, se sente bem com o papel de homenzinho que lhe dão desde o momento em que nasceu. Existem regras e as coisas são definíveis e claras sem grandes dificuldades. Muitos homens se tornam mestres da falsificação, atores e excelentes vendedores na arte da diplomacia, da superficialidade e da realidade teórica.  Manipuladores mentais, mas vítimas inocentes da incompreensão emocional. Um homem comum não pode estar verdadeiramente só. Fica reduzido à insignificância sem o aconchego e a nutrição de uma mulher em sua vida, mesmo que seja temporário ou até mesmo de sua mãe.  E sempre buscará algum tipo de aprovação do sistema masculino. Não pode viver sem parâmetros.

Eternamente terá uma sensação de fragilidade e uma inquietante desconfiança.

 

Inner Man, Akhona Lunika

Sensibilidade

Supostamente, as mulheres devem ser suaves e gentis. Mas, esta é, na verdade, a natureza masculina. Sob a superfície rude, que é reflexo da imposição social, um homem é um ser pacífico, como na história de “O Touro Ferdinando”.

Se sente provocado com facilidade, invadido pelas emoções demandas pelos outros, especialmente as fortes emissões da mulher. Tenta decifrar, mas não pode entender o que o intelecto não pode decodificar: o sentimento humano e a dinâmica emocional. Os psicólogos masculinos dos últimos séculos têm fracassado completamente em compreender a complexa e caótica dinâmica que produz a vida: o impulso emocional feminino.

Mas, os filhos de Adão se destacam pela nobreza. A intuição conceitual lhes dá dignidade e respeito como reverentes patriarcas. Conhecem a humildade de forma instintiva, com a suspeita de que tudo é uma peça teatral e ele, como macho rude e bruto, é uma mentira. Em sua herança, a sombra de Adão o torna ainda mais vulnerável e tenso. O desafio para um homem é aprender a discriminar em lugar de compensar sua falta de sensibilidade para sentir e obrigando os outros a agirem e pensarem como ele. O mito da Nova Era é totalmente sua construção, mesmo que tenha sido patrocinada por mulheres e aprovada pela tendência masculina até o consenso.

O homem atual sente todo o peso da vida, a angústia do anseio emocional sem a possibilidade de exteriorização ou compreensão, questionando sempre sua autenticidade, moldando-se às normas, impondo regras e projetando-se na grande família com a esperança de alcançar a ansiada identidade como verdadeiro ser.

O sexo é sua maior compensação, tão compulsivo quanto a sobrevivência e a caça foram para os primeiros filhos de Adão. Para ele, trata-se da sua maior conquista com um desempenho que aperfeiçoa sempre, de forma expressa ou encoberta. Quando não pode exercer esta função, seu mundo desmorona e seu sentido de valor se aniquila. Sua necessidade instintiva é ser importante para o outro e o sexo serve para isto. O dinheiro ocupa o segundo lugar neste contexto.

Além do óbvio que domina a sensibilidade de um homem, o anseio por seus atributos verdadeiros e ocultos o leva a excessos. Com frequência, através da perspectiva de um coração partido, e arriscando sua imagem no mundo e de si mesmo, sua natureza emocional irradia como Inteligência Sensível.

 

Hoje

Considerando as diferenças dos gêneros, os ângulos de percepção, experiências e relação com os ritmos e formas da vida, são os homens que têm o papel mais difícil para mudar seus padrões e os padrões do mundo. Longe de pensar “fora da caixa”, os homens têm vivido e respirado dentro caixa. A mesma caixa que concede segurança para o resto da humanidade é uma prisão para eles. O desafio continua a ser o de entrar num beco sem saída que magicamente se abre para um mundo onde a autoridade máxima, em vez de ser dura, é o seu amor ousado pela Verdade.

Se quisermos criar um mundo melhor para o futuro, devemos começar a olhar ESTE MUNDO, sem negatividade, mas com a compreensão de que temos vivido imagens de uma falsa masculinidade que dominou ambos os gêneros e que já não funciona mais. Através da sua Inteligência Sensível, o Homem interior está despertando para esta necessidade qualitativa em um mundo que sempre irá monitorar, mesmo que não seja o único líder ou autoridade máxima. Seu amor pela Verdade e a capacidade de manejar as qualidades da mente pode salvá-lo e conduzi-lo para além dos padrões do passado.

 

Living with your Inner Man

Além da herança

Enquanto as descendentes de Eva instilam um sentimento de deleite pelo misterioso, mantendo um fio coerente de sensibilidade através do caos e da diversidade, os descendentes de Adão carregam o fardo de construir a vida humana utilizando as vias da inteligência sensível.

O homem começa sua viagem sem saber quem é e busca chegar ao conhecimento de si mesmo no sentido délfico. Na medida em que dirige sua aura protetora e seu esforço disciplinado para chegar a respostas, seu caminho na busca a autoconsciência torna “especial” tudo o que toca e a todos que encontra. Ele É o rei. Aprende a amar e a apreciar o reinado. Seria importante que as mulheres entendessem que, em vez de competir com eles, deveriam acessar sua própria forma de liderança e inspiração.

O homem aprende a discriminar. Ganha respeito. Descobre o seu Ser apreciando a confiança que lhe foi depositada. Sentindo-se digno, amado, respeitado e apreciado, ele pode então ser a Presença da Verdade como um Homem Interior, abrindo o caminho e guiando os demais. Ele conhece o caminho de sua própria ruína e pode proteger melhor os humanos de si mesmos, ao mesmo tempo em que honra o princípio complementar da feminilidade, sem diminuir a expressão da sua masculinidade.

Como Eva, uma mulher começa sua jornada movida pelas emoções. Finalmente, aprende a destilar a força do amor genuíno que distingue o impulso pessoal e automático da emissão autoconsciente. O amor que cultiva a leva a honrar seu Ser e a ser honrada. Ela aprende a discernir elevando-se à sensibilidade inteligente. Aprende a respeitar o que está em coerência com o seu senso de identidade e a confiar na sensibilidade despertada pela inteligência do coração. Sua função é inspirar e guiar através da sensibilidade, aumentando assim a frequência emocional da humanidade. Agora, ela pode SER a Presença do Amor de forma plena e completa em si mesma, reinando suprema como mãe de universos, sustentando a vida e o Homem.

O presente da intuição da forma como se revela em cada gênero, para além da herança de Adão e Eva, deverá se tornar uma parte consciente e ativa na vida de cada ser humano.

 

Observação importante: O tema das diferenças de gênero aplica-se UNICAMENTE ao complexo corporal em encarnação e à maneira como concebe a vida na matéria e sua percepção do espírito. Em Espírito, somos UM.

 

Tradução: Cláudia Avanzi

One thought on “O PERPÉTUO DRAMA: ADÃO, EVA E O FRUTO PROIBIDO III

  1. Antonio de Castro

    Excelente colocação e comparação sobre o homem do passado e do presente, somos seres humanos querendo cuidar das pessoas que amamos com toda a nossa força, raciocínio e amor.

    Parabéns.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Suscribirme a La Mujer Interior

Mantente informado de las novedades del blog por email