A MULHER NÃO É YIN E O HOMEM NÃO É YANG

 

Existem duas leis que regem a construção e a dinâmica das formas que nos definem como humanos, definem nosso mundo e nossa realidade. Uma delas aplica-se à matéria e a outra, ao espírito. A lei que rege a estrutura da matéria consiste em dinâmicas de processamento de polaridades físicas e, no caso dos seres humanos, psicológicas. A Lei que rege o espírito é singular, holística e transcendente. Não formula. Engendra, dissolve, transmuta, refina e eleva. Guia e transcende a inteligência humana quando compreendemos, abraçamos e optamos por uma vida em neutralidade, refinamento e elevação. Até então, a inteligência que usamos é atributo da matéria a qual se apega. É fundamental compreender, respeitar e abraçar as leis físicas para dominá-las e despertar a Consciência.

 

Em nossa escola, chamamos Princípio Masculino e Princípio Feminino às duas forças que, de maneira paralela, definem o universo material, assim como a evolução e a elevação humana. Tanto o Princípio Masculino, quanto o Feminino contém o que no oriente é conhecido como yin e yang.

 

Yin representa a força de atração. Seu movimento tem origem na periferia e concentra-se no interior. Ao mesmo tempo, seu giro irradia influências sutis na direção contrária. Yang representa a atividade da força que se projeta do centro para a periferia, simultaneamente emanando ondas sutis que reverberam no centro.

 

Yin-yang descreve uma dinâmica do movimento perpétuo da vida, ou seja, da Criação. A transformação ou a alquimia é resultado do encontro destas forças opostas e complementares. Como veremos cada complemento existe dentro do outro catalisando interna e externamente um processo de mudanças contínuas e afetando fenômenos energéticos muito mais extensos do que visíveis. Determina criação, movimento e expressão do nosso sistema físico e tudo na natureza, desde o planetário até o humano e os elementos.

 

O Taoísmo enumera as características clássicas do conceito yin-yang no universo físico e, em meados do Século XX, quando as ideias orientais se popularizaram, estas ideias foram diretamente aplicadas ao comportamento humano, dando nascimento a uma grande confusão. O erro surgiu quando os conceitos yin e yang foram aplicados aos papéis e identidades sociais dos gêneros, sem considerar o rol determinante da Consciência. A matéria evolui e a Consciência se expande. E não responde às leis naturais.

 

Por mais inofensiva que pareça, esta confusão alimenta estereótipos sociais arcaicos, perpetuando a ideia de dependência entre os gêneros e a categorização fácil das forças psicológicas programadas que nada têm a ver com as atitudes ou perspectivas concedidas pela estrutura do gênero.

 

A filosofia taoísta trata das leis da natureza. O ser humano é entendido a partir das suas funções orgânicas e segundo sua identificação e ressonância com a matéria. Na natureza, uma força cresce e a outra é obrigada a se concentrar para provocar uma transformação física. No entanto, na alquimia, a transmutação não ocorre como resultado de um ingrediente polarizador, mas pelo efeito da energia espiritual da Consciência.

 

O homem e a mulher não são meros fenômenos físicos do universo e, portanto, não podem ser comparados à noite ou ao dia, à lua ou ao sol. Sua existência não depende do outro. Eles não se consomem e geram-se mutuamente como demonstra a lei da química, e formam um equilíbrio dinâmico de maneira que, quando um aumenta, o outro diminui. Os gêneros tampouco se transformam no seu oposto por vontade ou manobra física.

 

Em resumo, o ser humano manifesta a lei da dualidade por sua conexão e identificação com a matéria física e demonstra a singularidade e a transcendência da Consciência que permeia sua inteligência. A parte física responde às leis de atração e rejeição, de expansão e contração. Ou seja, as características clássicas do yin e do yang, mas não ocorre com a Consciência, que é espírito. Os gêneros são manifestações únicas e paralelas do espírito.

 

É até poético dizer que a mulher, como o yin, se assemelha à lua, ao frescor e à terra. E o homem, como yang, corresponde ao calor e aos céus. Mas, não são mais do que metáforas para as maneiras que a mulher e o homem expressam suas faculdades de Consciência por meio da matéria. Em um ser consciente, a “qualidade” de refinamento dessas expressões reflete o domínio sobre suas faculdades e a matéria que veste.

A estrutura e os campos energéticos de gênero.

 

No ser humano, o corpo físico determina a polaridade e a sequência de campos energéticos que o rodeiam e interpenetram. Em um estudo minucioso da anatomia sutil, vemos que estes campos energéticos correspondem a atividades focalizadas em centros (chacras) dentro do próprio corpo. Para simplificar, vou me referir a esta atividade nos diferentes corpos no homem e na mulher.

 

Devido ao jogo de polaridades, a perspectiva ou a orientação, ou seja, o comportamento do gênero é afetado qualitativamente com leves, mas importantes distinções. Em ambos os modelos, masculino e feminino, manifestam-se as forças yin e yang, que se alternam de modo único.

 

A química e a polaridade predispõem a percepção e o comportamento do gênero no mundo. Dentro das variantes de cada categoria (isto é, física, emocional ou mental), existem comportamentos estereotipados que manifestam fixações e expressões exageradas ou extremas. Esta tendência aparece no quando anexo como “distorção”. O símbolo + representa a polaridade yang e – equivale a yin do campo energético indicado.

 

Fisicamente, o gênero masculino encarna na polaridade positiva yang de projeção, cujo exemplo é o pênis e o impulso direcional produzido pela testosterona. Da mesma forma, fisicamente, o gênero feminino encarna a polaridade negativa ou atraente yin ilustrada pela cavidade vaginal e o magnetismo que exerce.

 

Consta que energeticamente o homem nunca poderá ser como a mulher, nem a mulher como o homem. O campo emocional de uma mulher será sempre qualitativamente diferente ao campo de um homem. Da mesma forma, a aura mental de um homem será radicalmente diferente à de uma mulher, mesmo que os índices intelectuais sejam idênticos e suas emoções igualmente profundas.

 

Neste conjunto de frequências associadas às habilidades do corpo e dos campos da personalidade, abrem-se diversas variantes do yin e do yang.

 

Agora, vejamos como a polaridade se transfere e influencia os outros corpos – emocional, mental e espiritual – no homem e na mulher.

 

No homem

A polaridade predominante no físico para o homem é yang. Destaca-se como construtor e “fazedor” por excelência, manifestando-se entre os extremos de tirania e fragilidade.

 

Lado a lado das expressões direcionais e energéticas, competitivas, quase atléticas e a força contundente e decidida do homem, características tipicamente yang, aparece a capacidade tenaz, paciente, individualista, comedida, sustentadora e calma, ou seja, a contrapartida yin que, mesmo sendo receptiva, não é “feminina”.

 

Do ponto de vista emocional, a polaridade do homem adquire a tonalidade yin que expressa sua natureza sonhadora suave como desejo e ternura vulnerável e internalizada. O yang, neste caso, faz com que pareça apaixonado, impulsivo e expressivo. As emoções passam por ligeira ativação de seu yang físico básico e não pela sutileza que caracteriza a mulher.

 

No segundo nível, o emocional, os extremos de distorção básicos masculinos oscilam entre a desconexão que o homem sofre constantemente com seus sentimentos mais comuns e a provocação ou desafio emocional que costuma instigar.

 

Quando nos referimos à comunicação, falamos do intelecto ou do processo mental normal. No corpo mental, a energia masculina novamente se volta para a polaridade yang. Aqui, o homem domina através do seu yang dinâmico e construtor de formas, moldes, padrões que servem o mundo físico e aumentam seu potencial yang físico, enquanto na distorção vai para o comportamento ensimesmado e fanático.

 

O mundo atual pertence ao homem, como diz a canção “It’s a Man’s World”. Pertence à lei e à autoridade, à ordem e ao conhecimento lógico. Ele é o líder persuasivo e utilitário, o gestor da sociedade, deixando transparecer ao mesmo tempo seu lado yin que é diplomático, abstrato, analítico e desapegado.

 

Na mulher

Fisicamente, a polaridade preponderante na mulher é yin. Junto às expressões típicas femininas em seu yin, como resistência, atração magnética, sensibilidade física e habilidade de saber quando ceder e como absorver, aparece seu lado yang, a ferocidade leonina como preservadora e guardiã da vida. Seu corpo expressa essa parte yang ao ser forte, dinâmica e exteriorizada. Isto não a faz “masculina”. Seus extremos como distorção aparecem como manifestações de rendição e agressão.

 

Esteja onde estiver e faça o que fizer, a polaridade yang no aspecto emocional da mulher domina o ambiente com expressões potentíssimas abertas ou insinuadas. Sedutora por natureza, neste aspecto, a mulher costuma ser intensa e envolvente, manipulativa, desafiante e dominante. Ao mesmo tempo, continua sendo impressionável, suscetível, serena e sutil, irradiando assim seu aspecto yin. Por outro lado, em sua distorção aparece como histérica entrando em excessos e manipulações dramáticas que são impossíveis de ignorar.

 

O pensamento da mulher é holístico e intuitivo, versátil e multidimensional em sua qualidade preponderante yin, enquanto seu yang se ocupa de exercer a vigilância e a cautela, a flexibilidade e uma enorme capacidade criativa que utiliza vias indiretas e alternativas (não lineares) de forma muito prática.

 

No nível mental, a mulher oferece uma função única de integração. Mesmo que as desvantagens que ela haja sofrido até este ciclo estejam se equiparando às vantagens, a mulher não possui o mesmo tipo de impacto ou domínio mental que o homem. Em sua distorção, pode mover-se entre extremos de descontrole e controle mental exagerados.

 

 

O nível espiritual em ambos os gêneros

No nível espiritual, tudo muda para o homem e para a mulher quando aumenta a influência da Consciência sobre as tendências materiais prévias. Apesar de nunca poder mudar o mecanismo básico do seu gênero, a qualidade ou os efeitos de suas expressões podem ser alterados.

 

A influência da Consciência fica subjugada pelas forças da matéria, até que cada gênero haja integrado as lições e os aprendizados no manejo das suas polaridades no mundo físico. Uma vez “desperto”, o ser humano será capaz de modificar a qualidade das forças que catalisa constantemente ao seu redor.

 

De repente, prevalece a influência da Consciência alterando radicalmente a polaridade positiva do homem e tornando-o infinitamente mais receptivo, obriga-o a sair dos seus padrões do passado baseados no yang físico e mental. Deve saltar para uma expressão yin que, mesmo sendo um aspecto refinado de seu yang básico, proporciona muitos contrastes e conflitos, pois ao ativar esse aspecto sensível, lança-o para um comportamento qualitativamente diferente do habitual e com uma nova identidade.

 

Surge a oportunidade de se converter em um mestre sensível e receptivo. No entanto, a distorção faz com que o homem, com frequência, manifeste-se em extremos de bondade que o fazem parecer frágil e em rigidez mental que podem transformá-lo em um intelectual superficial.

 

Espiritualmente, a mesma inversão de polaridades ocorre na mulher. Suas energias saltam para a polaridade yang de seu yin, mas em lugar de desconcertá-la (como ocorre com o homem), este estado desperta forças yang mentais que, se unindo ao aspecto yang emocional, dá muito poder de manifestação. No entanto, em sua distorção, pode transformar esta manifestação em ingenuidade ou dureza.

 

Para a mulher, a ativação da Consciência significa o nascimento da sacerdotisa e da visionária. Ao sair de seus padrões fortes yin, volta-se para o potencial yang de seu gênero, o que fornece muita força, convicção e influência ao seu redor.

 

Tudo depende da vontade do indivíduo quando consegue contatar as forças da Consciência, que são únicas e não estão sujeitas ao capricho ou à insistência humanas, à dissimulação ou à afetação. Em verdadeira sensibilidade, as características espirituais do homem e da mulher os convertem em seres realmente Humanos, o Homem Interior e a Mulher Interior.

 

Assim, trabalhamos e contamos com isto para um futuro melhor.

 

 

 

CUADRO I – CARACTERÍSTICAS CLÁSSICAS DO YIN E DO YANG (WIKIPEDIA)

 

·         O yin e o yang são opostos. Tudo tem seu oposto, ainda que não seja absoluto, já que nada é completamente yin nem completamente yang. Por exemplo, o inverno se opõe ao verão, mesmo que um dia de verão possa ser frio e vice-versa.
·         O yin e o yang são interdependentes. Um não existe sem o outro. Por exemplo, o dia não existe sem a noite.
·         O yin e o yang podem se subdividir, por sua vez, em yin e yang, indefinidamente. Por exemplo, um objeto pode ser quente ou frio, que por sua vez o quente pode estar fervendo ou morno e o frio pode estar fresco ou gelado.
·         O yin e o yang se consomem e geram-se mutuamente. Formam um equilíbrio dinâmico: quando um aumenta o outro diminui. O desequilíbrio é circunstancial: um cresce muito em força para que o outro possa concentrar-se. Por exemplo, o excesso de vapor nas nuvens (yin) provoca a chuva (yang).
·         O yin e o yang podem se transformar em seus opostos. A noite se transforma em dia, o morno em frio, a vida na morte. No entanto, esta transformação também é relativa. Por exemplo, a noite se transforma em dia, mas ambos coexistem nos extremos do planeta.
·         No yin existe o yang e no yang existe o yin. Sempre existem um pouco de um no outro, o que implica que o absoluto se transforma em seu contrário. Por exemplo, uma semente enterrada suporta o inverno e renasce na primavera.

 

 

 

 

 

QUADRO II – YIN-YANG NO HOMEM E NA MULHER

  HOMEM MULHER
YIN YANG     YIN YANG
NÍVEL FÍSICO Calmo

Sossegado

Comedido

Individualista

Paciente

Possuidor, sustentador do poder

Direcional

Enérgico, contundente

Resolvido, decidido

Protetor

Forte

Competitivo

Campeão

CONSTRUTOR

FAZEDOR

+

GESTADORA DE VIDA

Resistência

Atração

Magnetismo

Cedente

Absorção

Sensibilidade

Cuidadora, preservadora

Guardiã da vida

Resistente

Com recursos

Fértil, frutífera

Tenaz

DISTORÇÃO: FRAGILIDADE x TIRANIA DISTORÇÃO: RENDIÇÃO x AGRESSÃO
NÍVEL EMOCIONAL Vulnerável

Suave

Terno

Internalizado

Evasivo

Aspiração

Amável

 

 

Expressivo

Feroz

Paixão

Pressão

Impulsividade

 

 

DESEJO

DOADORA DE MOVIMENTO

+

Transformadora

Impressionável

Contém

Emana

Suscetível

Sensível

Profundidade, abismo

Serenidade, paz

Sutil (invisível)

Dinâmica, expansiva

Intensa (caos)

Envolvente

Sedutora

Manipuladora

Reativa, perspicaz

Influente

 

DISTORÇÃO: DESCONEXÃO x PROVOCAÇÃO DISTORÇÃO: HISTERIA x DRAMA
NÍVEL MENTAL Desapegado

Abstração

Concentrado

Buscador, inventivo

Científico (analítico)

Diplomático

 

Lei, autoridade, ordem

Conhecimento

Lógica, propósito

Persuasivo, líder

Utilitário

Direção, gestão

DOADOR DE FORMA

+

INTEGRADORA

Holística

Simultânea

Versátil

Intuitiva

Multidimensional

Receptiva

 

Cautelosa, vigilante

Flexível

Indireta (vias alternativas)

Prática

Observadora

 

DISTORÇÃO: INTROVERSÃO x FANATISMO DISTORÇÃO: LOUCURA x CONTROLE
NÍVEL ESPIRITUAL Silencio humildade

Conformidade

Originalidade

Busca, verdade

Honra, ideal, santidade

Equidade, verdade

Maestria, ensinamento

Generosidade

Estética

Irmandade

SANTO / MESTRE

SACERDOTISA / VISIONÁRIA

+

Compaixão, pureza

Transmutação

Harmonia, totalidade

Justiça, integridade

Visionária, mistério

Maternidade

Sabedoria

Elevação, inspiração

Criatividade, graça

Beleza, responsabilidade

Alegria, misericórdia

DISTORÇÃO: “BONZINHO” x RIGIDEZ DISTOÇÃO: INGENUIDADE x DUREZA

 

 

Tradução: Cláudia Avanzi

 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Suscribirme a La Mujer Interior

Mantente informado de las novedades del blog por email